Junior Federice pede a instituição do Programa Jovem Aprendiz como política pública do Executivo ipiranguense

por Karynne Fernandes publicado 18/04/2019 11h45, última modificação 18/04/2019 11h59
Junior Federice pede a instituição do Programa Jovem Aprendiz como política pública do Executivo ipiranguense

Foto: Startup Stock Photos

Criar uma política pública de incentivo ao primeiro emprego de jovens ipiranguenses. Este é objetivo do vereador Junior Federice com a sua Indicação n° 040/2019, encaminhada à Plenário e aprovada por unanimidade pelos colegas na última segunda-feira, 15/04. Seu pedido, é que o Executivo crie uma lei municipal que fomente o Programa Jovem Aprendiz e nisto priorize as famílias que constam  no Cadastro Único do Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) em situação de vulnerabilidade social.

O vereador defende a instituição do programa em Ipiranga do Norte para que haja mais oportunidades de emprego para adolescentes e jovens de famílias carentes, inserindo-os no mercado de trabalho, adquirindo experiência, ajuda no aumento de renda familiar e prepará-los em um cenário econômico em constante mudança. Para isto, deverá haver critérios muito bem definidos como, por exemplo, estar matriculado e com participação regular na escola. “Porque além da oportunidade de emprego, temos como objetivo a formação desses menores para continuarem no mercado de trabalho”, escreve em nota justificativa. Os benefícios com o aumento de renda familiar se reflete na qualidade de vida dos ipiranguenses, diminuição da desigualdade, combate à criminalidade e marginalidade.  

Destacou, inclusive, que em muitos comércios pouco se percebe a presença de jovens trabalhadores de famílias carentes de Ipiranga do Norte. Vários desses jovens são de famílias com boa situação econômica e os que realmente necessitam não conseguem se inserir no mercado de trabalho.

Em apoio, o vereador Jacir Laureano Maria complementou durante a discussão que um outro aspecto de desigualdade de oportunidades de emprego se dá em relação às mulheres. Isto, no caso local, principalmente nas fazendas em que há maior número de oportunidades de empregabilidade e cuja grande maioria de trabalhadores são homens.

Este tema já esteve em pauta diversas vezes ao longo dos últimos cinco anos por diferentes vereadores. Embora haja previsto na CLT que estabelecimentos que tenham pelo menos 7 (sete) empregados já sejam obrigados a contratar aprendizes, a partir da criação de uma lei, como política pública municipal, seja fomentado este tipo de vínculo empregatício em Ipiranga do Norte/MT.

Assista ao pronunciamento em tribuna:

registrado em:
Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.